sexta-feira, 11 de Maio de 2012

Prelúdio à memória*


Encontrámo-nos duas vezes. A primeira, no fim de um concerto comemorativo do 25 de Abril, em Matosinhos, no qual tocaste aquele extraordinário Sonho do Outros. Foi a primeira música que comprei no iTunes. Depois, em casa do Carlos e da Olga, ajudámos a delapidar aquela garrafa de Boal Solera de 1871, da Cossart, Gordon e Cia, Lda (ainda o tenho anotado no telemóvel; não é todos os dias que se bebe um Madeira desta idade e ainda por cima em boa companhia, e este já ninguém nos tira). Vi escrito, há pouco, no rodapé do noticiário da televisão, que morreste. Achei que era engano, confusão, outra coisa qualquer. Tu eras um gajo que sorria e tocava piano. Tu criavas música daquela que se escuta e faz bem cá por dentro. Tu não morres. Quando chegar a casa ponho o Motion a tocar e tu estás entre nós outra vez.

*Prelúdio à memória é o nome de uma composição que Bernardo Sassetti gravou no disco Salsetti, de 1994