quarta-feira, 23 de Maio de 2012

Poemas perdidos: o meu avô

O meu avô afiava
os lápis com o gume da faca:
tudo o que sabia escrever
era o próprio nome,
devagarinho,
para não se enganar
no desenho das letras.

(circa 2005)